Bannière

[ Inscrivez-vous ]

Newsletter, Alertes

PAICV contra proibição de doações na campanha eleitoral para autárquicas em Cabo Verde

Imprimer PDF

Praia, Cabo Verde, 2 setembro (Infosplusgabon) - O Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), principal força da oposição no arquipélago, anunciou que discorda da Comissão Nacional de Eleições (CNE), que proíbe a doação, de camisolas e máscaras, na campanha para as eleições autárquicas, marcadas para o próximo dia 25 de outubro.

 

 

 

Em conferencia de imprensa, o vice-presidente do PAICV, João Batista Pereira disse terça-feira que o seu partido estranha o facto de ser esta a primeira vez que se envereda por tal proibição.

 

Segundo Batista Pereira, o seu partido considera “um exagero” o posicionamento da CNE que acha que “as camisolas não fazem parte dos adornos, adquirindo uma utilidade especial para os Cabo-verdianos ”.

 

Pereira disse ainda que a decisão da CNE é “totalmente inovadora, inesperada nas vésperas das eleições”.

 

A manter-se, prosseguiu, esta medida, “prejudicará gravemente muitas candidaturas que estão a disputar as autárquicas, num quadro de restrições impostas pela pandemia”.

 

O dirigente do PAICV  vai mais longe ainda, considerando que, com tal procedimento, a CNE “mata a democracia e favorece claramente as candidaturas do Movimento para a Democracia (MpD), partido que está no poder em Cabo Verde).

 

João Batista Pereira argumenta, também, que a CNE está a extravasar as suas competências, pois trata-se de uma matéria de competência exclusiva do Parlamento”.

 

“Nós entendemos que os limites da propaganda eleitoral são aqueles que constam do Artigo 106 do Código Eleitoral, que foi aprovado, em 2007, e revisto em 2010, após uma profunda discussão dos atores políticos”, frisou.

 

Por entender que a decisão da CNE viola o Código Eleitoral (CE) em vigor, João Batista avança  que o PAICV entra com recurso junto do Tribunal Constitucional (TC) para clarificar a referida  deliberação V/2020 da CNE.

 

A Comissão Nacional de Eleições proibiu a distribuição gratuita de camisolas e máscaras de proteção à covid-19 na campanha para as eleições autárquicas de 25 de outubro, através de uma deliberação aprovada por unanimidade em plenário da CNE de 21 de agosto.

 

A referida deliberação foi aprovada após o representante do MpD ter solicitado um pronunciamento sobre o enquadramento, enquanto propaganda eleitoral, da eventual distribuição de máscaras de proteção da covid-19 e camisolas, pelas listas concorrentes às eleições autárquicas.

 

Na deliberação, a CNE recorre ao Código Eleitoral para abordar os “limites à propaganda eleitoral”, que estabelece que é “proibido doar, oferecer ou entregar, diretamente ou por intermédio de terceiro, dinheiro ou quaisquer mercadorias, bens ou artigos que não sejam considerados simples enfeites ou adereços”.

 

Acrescenta, citando o mesmo Código, que “não são considerados simples enfeites ou adereços os artigos que se destinem a assegurar uma especial utilidade para o eleitor”.

 

“Resulta da conjugação desses dois números uma limitação à liberdade de propaganda eleitoral por parte das candidaturas, no sentido de que não são permitidas a doação, oferta ou entrega de bens que se destinem a assegurar uma especial utilidade para o eleitor, ou seja, bens que não sejam considerados enfeites ou adereços”, lê-se na deliberação.

 

No caso das camisolas ou t-shirts, a CNE recorda que “sendo uma peça de vestuário útil”, as que foram utilizadas anteriormente pelas listas concorrentes em campanhas eleitorais ainda “continuam a ser utilizadas pelos eleitores, passados vários anos, como simples indumentárias”.

 

“Em relação às máscaras, elas oferecem a proteção desejada contra vírus e bactérias e, considerando o contexto atual da pandemia de covid-19, no qual o seu uso é obrigatório como norma do protocolo sanitário em vigor, é indiscutível a sua especial utilidade para o eleitor, como meio de proteção e segurança, não podendo ser considerada como simples enfeite ou adereço”, lê-se ainda.

 

Daí que a CNE entende que “durante o período de campanha eleitoral é proibido doar (...) camisolas e máscaras, por estas não serem simples enfeites ou adereços, antes constituindo bens de especial utilidade para o eleitor, por força do disposto nos números 4 e 5 do artigo 106.º do Código Eleitoral”.

 

A resolução adverte ainda que a violação desta deliberação constitui contraordenação e prevê a apreensão dos bens e artigos envolvidos e a sua perda a favor do Estado.

 

 

 

FIN/ INFOSPLUSGABON/TFG/GABON2020

 

© Copyright  Infosplusgabon

Qui est en ligne!

Nous avons 6153 invités en ligne

Publicité

Liaisons Représentées:

Newsflash

https://www.infosplusgabon.com/component/content/article/29569-2020-10-28-11-39-10

 

AU SOMMAIRE DE l'EDITION  DU 27  OCTOBRE 2020

► Dossier : Le Prix à payer  pour les contrats publics en Afrique

► Dossier : Corruption en Afrique/ La légitimité des Etats mie en cause

► Avec l’arrivée des pluies, Libreville ternie par l’accumulation des ordures ménagères

 

Toutes les autres informations, au quotidien, en ligne  24h/24 via www.infosplusgabon.com

Infos Plus Gabon ! - Le Journal numérique en ligne qui vous accompagne partout. Abonnez-vous  !

Lire également les numéros précédents  :

https://www.e-kiosque-sogapresse.com/fr/a-la-carte/quotidienne/infos-plus-gabon/infos-plus-gabon-20-10-2020.html

https://www.e-kiosque-sogapresse.com/fr/a-la-carte/quotidienne/infos-plus-gabon/infos-plus-gabon-13-10-2020.html

 

Les autres  nouvelles à  travers le monde 24h/24 via  le site www.infosplusgabon.com

DEPÊCHES