Bannière

[ Inscrivez-vous ]

Newsletter, Alertes

FIFA multa Federação Maliana de Futebol em $ 16 mil

Imprimer

Bamako, Mali, 7 Outubro (Infosplusgabon) -  A Federação Internacional de Futebol (FIFA), instância suprema do futebol mundial, acaba de infligir uma multa de nove milhões de francos CFA (cerca de 16 mil e 72 dólares americanos) à Federação Maliana de Futebol (FEMAFOOT) devido a incidentes ocorridos durante a quarta jornada das eliminatórias do Mundial de 2018 na Rússia 2018.

 

Trata-se de uma partida disputadas a 5 de setembro passado entre o Mali e Marrocos, no estádio de 26 de março de Bamako, anunciou quinta-feira a FIFA numa correspondência transmitida à Infosplusgabon, na capital maliana.

 

Nesta correspondência dirigida ao Secretariado da FEMAFOOT, a FIFA responsabiliza a instância dirigente do futebol maliano, "por violação do Código Disciplinar da FIFA e do  Regulamento da FIFA sobre a segurança dos estádios" pelos incidentes ocorridos durante o jogo da competição preliminar do Mundial de 2018, entre as equipas representativas do Mali e de Marrocos, a 5 de setembro de 2017.

 

Nesse dia, nota a correspondência, "a equipa técnica liderada por Alain Giresse, então selecionador principal dos Águias do Mali, foi atacada por adeptos descontentes depois da vergonhosa derrota por 6-0 dos Águias face aos Leões de Altlas, em Rabat, para a terceira jornada das eliminatórias".

 

Esta multa infligada à FEMAFOOT é pagável num prazo de 30 dias, a partir da notificação da decisão de 28 de setembro, precisa a nota da Comissão de Disciplina liderada pelo Paraguaio Alejandro Piera.

 

"Se tais incidentes acontecerem no futuro, a Comissão de Disciplina da FIFA não terá outras escolhas senão impor sanções mais severas contra a FEMAFOOT", adverte a FIFA.

 

FIN/INFOSPLUSGABON/MPO/GABON 2017

 

© Copyright Infosplusgabon

Qui est en ligne!

Nous avons 1829 invités en ligne

Publicité

Liaisons Représentées:

Newsflash

LIBREVILLE,  September 3 (Infosplusgabon) –  Kenyan  President Uhuru Kenyatta launched his election campaign on Saturday ahead of a repeat poll in the East African nation in two months following the Supreme Court’s decision to cancel the Presidential election results.